14/02/2017 Rosana Romão 0Comment

Desde que fiz o check-in em Tambaba, na Paraíba, e publiquei em uma rede social, recebi várias mensagens de amigos e conhecidos impressionados com a minha “coragem”, além de inúmeros questionamentos de curiosos sobre a praia de nudismo mais conhecida do Brasil.

Devido a essa procura resolvi fazer um post sobre esse lugar lindo, que causa tanta polêmica. Apesar de ter algumas restrições, a entrada é gratuita e requer apenas coragem e respeito. Você não precisa ler todo o texto para chegar à conclusão que eu quero passar. De início já quero lhe dizer: você precisa ter essa experiência.  E vou te contar o porquê nessa listinha que preparei.

Mirante de Tambaba, de onde podem ser vistas as falésias, a vegetação e o mar. (FOTO: Rosana Romão)
Mirante de Tambaba, de onde podem ser vistas as falésias, a vegetação e o mar. (FOTO: Rosana Romão)

1 – Tambaba nua e Tambaba vestida

Muitas pessoas pensam que ao chegar a Tambaba já serão recepcionadas por pessoas peladas. Na verdade você vai encontrar o guarda do estacionamento com um sorriso no rosto dando as boas vindas. Até então as pessoas estão chegando na praia vestidas. Isso porque a praia se divide em duas, uma reservada para os naturistas e a outra para quem não quer tirar a roupa, além de outras praias próximas.

Na praia de Marcelia, as pedras formam uma pequena enseada que convida ao repouso. Na praia da Arapuca, é possível surfar e desfrutar do visual das falésias, que são as mais famosas da Costa do Conde. A área é servida com restaurante, piscinas naturais e uma beleza de ficar babando. Não é à toa que possui um mirante, é um lugar para ser admirado. Portanto, se você não tem coragem de ficar totalmente sem roupa poderá explorar essa área, e com certeza irá gostar.

Já para os mais aventureiros, surpresas o aguardam depois do portal. A área dos naturistas fica isolada, separada por um portal.

Portal que separa a área de nudismo. (FOTO: Rosana Romão)
Portal que separa a área de nudismo. (FOTO: Rosana Romão)

2 – É um ambiente familiar

Isso mesmo que você leu. Encontrei várias famílias com crianças na praia de nudismo. E por momento algum vi as crianças assustadas ou tendo alguma reação de espanto. O ambiente é tão natural (literalmente), que até as crianças não veem maldade em nada. Você também irá encontrar vários casais, gays, héteros e grupos de amigos. Mas as pessoas costumam ficar bem afastadas umas das outras, respeitando a privacidade.

3 – Tem lei regulamentando o naturismo e impõe regras

Não é só chegar e tirar a roupa não. É preciso respeitar a lei. A praia de Tambaba pertence ao município de Conde, na Paraíba, e a lei  309/2004 estabelece normas para o ingresso de banhistas. Primeiramente, é proibido o uso de qualquer peça de roupa ou vestimentas incompatíveis com o naturismo. Não é permitido fotografar ou filmar pessoas nuas sem o devido consentimento. Não pode levar animais ou poluir a praia.

Homem desacompanhado de mulher não pode ingressar na área. Constrangimentos aos naturistas com atitudes ativas ou passivas não são permitidos, assim como a prática de gestos, ações e propostas que tenham conotações sexuais. É vetado o trânsito de qualquer tipo de veículo. Tudo isso é fiscalizado por agentes que rondam a praia.

As falésias encantam a paisagem. (FOTO: arquivo pessoal)
As falésias encantam a paisagem. (FOTO: arquivo pessoal)

4 – É terapêutico

Inicialmente tem-se a ideia de que o erotismo vem a partir da nudez, mas com poucos minutos no local você muda o pensamento. Até já li que a maldade está no tecido.

Eu, quando saí da praia, fiquei com a impressão de que nossa mente é suja ao ponto de não conseguir imaginar a nudez como algo natural, que o é, desde o nosso nascimento, desde o início do mundo.

Compreendi um pouco da cultura indígena. Eles conseguem viver harmoniosamente sem roupa, nós é que complicamos tudo. Estar em Tambaba é perceber que existe uma outra forma de vida, e embora você não concorde ou não queira para você, respeita.

5 – Use protetor solar

Como já diria aquele filósofo Pedro Bial, use filtro solar. E se for em Tambaba, use mesmo! Primeiramente, porque o clima é quente e exige uma proteção maior. Depois, porque como você não costuma expor o corpo 100% ao sol, precisará passar o filtro solar nos órgãos genitais e nádegas.

As mulheres devem passar principalmente nos seios, pois são sensíveis e merecem cuidado. Essa foi uma das coisas mais estranhas que senti, porque nunca havia passado protetor nas partes íntimas. É divertido. Para quem gosta de ir à praia e ficar sem marquinhas, Tambaba é o melhor lugar.

6 – Processo psicológico de aceitação do próprio corpo

Desde a hora em que você passa pelo portal e desce a escada, se depara com a nova experiência ao ler a placa: “a partir deste ponto, a nudez é obrigatória”. É mais complicado para algumas pessoas, mas em geral, despir-se e seguir o passeio é um processo psicológico de aceitação do próprio corpo.

Você caminha e só sente o peso de si mesmo, o vento tocando sua pele, o sol aquecendo o corpo, é um conjunto de sensações que faz você perceber que tudo isso te pertence. Aos poucos começa a orgulhar de si, independente do que sempre te disseram sobre beleza. Tambaba não é um desfile de corpos sarados, e sim a natureza humana exercendo sua democracia. Garanto que após algumas caminhadas e mergulhos, você vai amar o seu corpo como nunca antes.

Normalmente há mais movimentação nos finais de semana. (FOTO: divulgação)
Normalmente há mais movimentação nos finais de semana. (FOTO: divulgação)

7 – Conselhos de amiga

Mulheres que pretendem ir sozinhas, sugiro que se reúnam em duplas ou até grupos para evitar engraçadinhos. Em geral, as pessoas se respeitam, mas sempre tem aquele carinha sem noção que vai reagir de forma infantil. Estar acompanhada vai ser mais confortável para despistar esses gaiatos.

Aconselho a ficar no local até, no máximo, 17h30, pois quando anoitece não há iluminação suficiente e a fiscalização diminui, não acho tão seguro quanto de dia. E, enquanto permanecer na praia, procure ficar na área cercada pelas pedras. Você pode até caminhar pela praia um pouco depois das pedras, mas o local é totalmente deserto e não oferece segurança.

8 – Festival de Surf e Tambaba Fest

Não é só de naturismo que vive a região, há também eventos que movimentam o turismo local. O Tambaba Open Surf e o Tambaba Fest movimentam a praia no segundo semestre do ano. O Open Surf foi idealizado por Carlos Santiago, dirigente do Movimento NU (Naturistas Unidos). O objetivo é difundir a filosofia naturista por meio do esporte.

Já o Tambaba Fest trata-se de um festival musical com duração de quatro dias na praia naturista. É a época mais movimentada do turismo local. A edição de 2016 aconteceu nos dias 20 a 23 de outubro.

Serviços de bares, restaurantes e pousadas são oferecidos aos naturistas. (FOTO: divulgação)
Serviços de bares, restaurantes e pousadas são oferecidos aos naturistas. (FOTO: divulgação)

9 – Prepare-se para as reações de amigos e familiares

Eu nunca recebi tantas mensagens quanto no dia em que fiz o check-in na praia. Acho que até mais do que no meu aniversário, e de pessoas que eu nem esperava. É um misto de repressão com curiosidade. Uns te julgam, outros fazem mil perguntas ao mesmo tempo, e alguns não acreditam que você foi mesmo e vão te perguntar várias vezes a mesma coisa. Mas sempre no final da conversa vão terminar com essa frase: gostaria de ter essa coragem.

10 – Você vai querer voltar

Tambaba é uma experiência que todas as pessoas devem ter. Mesmo os mais tímidos, pois são os que mais precisam viver o naturismo. Se preferir não tirar a roupa, vá para a Tambaba vestida, que também é belíssima e vale o registro. Se estiver com tempo livre, aproveite para conhecer outras praias, como Coqueirinho e Tabatinga. Mas garanto que se você for em Tambaba nua verá que não é um bicho de sete cabeças, como muitas pessoas pensam.

Para ter uma noção, quando conheci Tambaba meu intuito era só passar por lá, tirar uma foto e seguir para outras praias de João Pessoa. Mas me dei a oportunidade de conhecer Tambaba nua e fiquei lá o dia inteiro. Nem fui para as outras praias pois quis aproveitar o máximo. Certamente você vai querer voltar.

Coqueiro entre pedras é o cartão-postal de Tambaba. (FOTO: Rosana Romão)
Coqueiro entre pedras é o cartão-postal de Tambaba. (FOTO: Rosana Romão)

Bônus – O que fazer quando chegar lá?

Para quem acha que vai chegar lá e não saber o que fazer, vou dar algumas opções que funcionaram comigo. Primeiramente, entregue seus pertences para alguém que esteja te acompanhando e experimente caminhar pela praia. Depois tome um banho de mar. Você já sai da água se sentindo parte da natureza.

Em seguida, vá ao bar sozinho. Os funcionários usam roupa devido à vigilância sanitária, então causa um estranhamento e por um instante você pode pensar que o garçom vai ficar olhando pro seu corpo, mas eles são acostumados e profissionais.

Outra dica é interagir, seja para conversar ou pedir uma informação para alguém que esteja na mesma condição. Isso ajuda a quebrar o gelo e você se sente mais “normal”. E, por último, tire uma foto artística para mostrar aos netos. No futuro você vai olhar para a foto e se orgulhar, não só do corpo como de toda a experiência.

O mirante possui um quadro para você levar uma foto de recordação. (FOTO: arquivo pessoal)
O mirante possui um quadro para você levar uma foto de recordação. (FOTO: arquivo pessoal)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *